Câmara de PB inicia ano com nova Mesa Diretora

Escolha foi feita em extraordinárias após o recesso. Diogo Santos assumiu a presidência da Casa

A Câmara Municipal de Porto Belo iniciou 2020 sob nova direção. Confirmando uma mudança prevista desde janeiro de 2019, o vereador Altino Júnior (PSD) cedeu seu lugar no centro da bancada a Diogo Santos (MDB), que presidirá os trabalhos do Legislativo até dezembro deste ano. Embora os demais cargos da Mesa Diretora tenham sido renovados, a palavra que define a atual gestão é “continuidade”.

“Vamos dar sequência a um projeto de legislatura”, confirma Diogo. Segundo explica, durante o processo de eleição da Mesa Diretora para o biênio 2019-2020, ficou acertada a alternância entre Júnior e Santos como forma de dar consenso ao pleito. Em paralelo, estabeleceu-se uma série de objetivos a alcançar nesses dois anos. Entre eles, o lançamento do programa Vereador e Vereadora Mirim, a instituição da Procuradoria Especial da Mulher e a informatização do processo legislativo saíram do papel nos últimos doze meses. Entre as metas que ficaram para 2020, a principal é a efetivação da transmissão em vídeo ao vivo das sessões.

“É uma necessidade e uma obrigação”, considera o presidente da Casa, que retomou, nesta segunda-feira (6), reinício dos trabalhos legislativos, as tratativas para a implantação do sistema. Diogo reforça que Porto Belo é a única câmara entre os municípios da região que ainda não disponibiliza o serviço (atualmente, as sessões são transmitidas em formato de live na página do Facebook e também em forma de áudio no site oficial).

MUDANÇA

O processo de mudança ocorreu durante o período de recesso do Legislativo, na última semana de 2019, e começou com a renúncia dos até então membros da Mesa Diretora. Altino Júnior (presidente), Silvana Stadler (PTB, vice-presidente), Diogo Santos (primeiro-secretário) e Bento Voltolini (Cidadania, segundo-secretário) entregaram seus cargos dia 23 de dezembro, o que levou o vereador progressista Francisco Scottini, na qualidade de decano da Casa, a convocar sessões extraordinárias nos dias 24 e 26 para escolher uma nova composição.

Após reunião entre os parlamentares, optou-se pela apresentação de chapa única (Unidos por Porto Belo), composta pelos seguintes membros: Diogo Santos (presidente), Joel Lucinda (PTB, vice-presidente), Jonas Raulino (MDB, primeiro-secretário) e “Kiko” Scottini (segundo-secretário). A composição foi ratificada pelos presentes e já começou a orientar os trabalhos da Câmara no início desta semana.

“Não vou esquecer este dia”, Diogo discursou, emocionado, logo após a confirmação do resultado. “Isso aqui é uma continuidade, mas saibam que farei o possível para chegar no mesmo patamar [da presidência anterior]”, afirmou.

Presidente da Câmara em mais de uma ocasião (2003/04, 2010 e 2017/18), Joel Lucinda garante que “não tem segredo: é só fazer a coisa certa”. Segundo acredita, resta pouco a realizar neste ano, visto que a gestão de 2019 já deu conta das principais demandas. O petebista ressaltou ainda que o Legislativo portobelense é, em sua avaliação, um dos mais econômicos do Estado. Tradicionalmente, uma parcela do que é repassado pelo Executivo para custeio das funções legislativas (cerca de 2,3% do orçamento do município) acaba voltando aos cofres públicos. Em 2018, dos R$ 2,25 milhões recebidos, pouco mais de R$ 480 mil foram devolvidos à Prefeitura (o balanço das contas do ano passado ainda não foi concluído).

RENOVAÇÃO

Embora prevista, a mudança de nomes na Mesa Diretora surpreendeu pelo grau de renovação. Havia a expectativa de que outros membros da última gestão permanecessem, mas o único remanescente foi mesmo Diogo Santos.

Para ele, isso é decorrência do processo de negociação entre as bancadas. Inclusive, é sua expectativa manter o nível de diálogo que se observou nos últimos doze meses – considerado pelo parlamentar como “muito bom”. Chamou-lhe mais a atenção, portanto, o fato de seu partido, o MDB, estar agora ocupando duas cadeiras. Aliás, Jonas Raulino, o segundo emedebista da Mesa, também se surpreendeu por ter sido designado para assumir a primeira-secretaria.

“Não esperava”, garante. Não é, entretanto, a primeira vez que ele assume função na gestão do parlamento. Primeiro-secretário em 2014, presidente em 2015 e segundo-secretário 2016, todos em seu primeiro mandato, ele se diz preparado para a tarefa: “A nossa vida é feita de desafios, e esse é mais um. Acredito que vai ser uma boa legislatura”.

ALCIDES MAFRA/ASSESSORIA CÂMARA PB