Vereadores vão a Piçarras conhecer Selo Social

Legislativo portobelense estuda implantar certificação para empresas “amigas das mulheres”

PORTO BELO – Depois de visitar a Câmara de São João Batista para conhecer uma lei de inserção de mulheres em situação de violência doméstica no mercado de trabalho, os vereadores Altino Júnior (PSD), Diogo Santos (MDB) e Silvana Stadler (PTB) voltaram à estrada na última sexta-feira (08). O destino, desta vez, foi o balneário de Piçarras. Mais especificamente, a Secretaria de Assistência Social daquele município. Os três membros da Mesa Diretora foram conhecer o programa de certificação adotado pela pasta, o Selo Social.

Piçarras aderiu ao selo em 2014. O certificado foi idealizado pelo Instituto Abaçaí Brasil e é concedido a empresas, entidades e órgãos públicos responsáveis por desenvolver ações sociais focadas nas oito metas de desenvolvimento do milênio estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2002. De acordo com Ana Paula Ribeiro Stiebler, secretária de Assistência Social, através das parcerias formalizadas com o setor privado no âmbito da certificação é possível realizar em média 4 mil atendimentos a crianças e adolescentes anualmente na cidade. “[O selo] possibilita uma maior conscientização de todos os setores de que, se andar de mãos dadas, se chega mais longe”, afirma.

Em princípio, a Câmara de Porto Belo projeta a criação de um selo próprio, que possa ser usado como reconhecimento a atores sociais engajados na defesa dos direitos da mulher. Mais especificamente, como certificação de empresas enquadradas em um projeto similar ao já em vigor em São João Batista. Entretanto, Silvana Stadler não descarta aderir ao Selo Social. A vereadora, que também exerce a função de procuradora especial da Mulher, explica que a Mesa Diretora fará contato com a direção do instituto para verificar a viabilidade da proposta. Ela também planeja conhecer a experiência do Legislativo de Balneário Camboriú, que também aderiu ao selo.

(Alcides Mafra/Assessoria Câmara PB)